Uma análise da dívida externa brasileira a partir dos anos 2000

  • Ricardo Lobato Torres UFPR
  • Carolina Silvestri Cândido UTFPR
  • Adriana Ripka UTFPR
Abstract views: 327 / PDF downloads: 145
Palavras-chave: Dívida externa, Vulnerabilidade externa, Brasil

Resumo

O objetivo deste artigo foi analisar a dívida externa brasileira a partir dos anos 2000, com foco na vulnerabilidade externa, custos e sustentabilidade. Realizou-se revisão da literatura sobre o tema e fez-se levantamento de dados secundários a partir das estatísticas do Banco Central do Brasil. Foram analisadas variáveis como o investimento internacional líquido, taxa de juros dos títulos públicos, taxa de câmbio, dívida líquida do setor público e custo real da dívida não-monetária. Os resultados mostram que houve redução da vulnerabilidade externa por conta do acúmulo de reservas em moeda estrangeira e pela substituição da dívida pública externa pela interna. Contudo, permanece a condição de vulnerabilidade externa estrutural, em função da necessidade de atração de capital estrangeiro para o equilíbrio no balanço de pagamentos e, por conseguinte, do círculo vicioso gerado entre a política monetária, o resultado fiscal e a redução do crescimento econômico. Houve deterioração da posição de investimento internacional do Brasil, principalmente a partir de 2015, com a desvalorização cambial, o que implica uma elevação dos riscos associados à dívida externa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANCO CENTRAL DO BRASIL – BCB. Sistema Gerenciador de Séries Temporais - v2.1 – SGS. 2021. Obtido em: https://www3.bcb.gov.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.do?method=prepararTelaLocalizarSeries. Acesso em: 20 ago. 2021.
BANCO CENTRAL DO BRASIL – BCB. Dívida Líquida do Setor Público (% PIB) - Total - Banco Central. 2020. Obtido em: https://dadosabertos.bcb.gov.br/dataset/4505-divida-liquida-do-setor-publico--pib---total---banco-central. Acesso em: 27 dez. 2020.
BANCO CENTRAL DO BRASIL – BCB. Manual de Estatísticas Fiscais. 2018. Obtido em: https://www.bcb.gov.br/ftp/infecon/Estatisticasfiscais.pdf. Acesso em: 20 ago. 2021.
BRASIL. Ministério da Economia. Secretaria Especial de Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Dívida Pública Federal: Relatório Anual 2020. Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional, 2021. Obtido em: https://www.tesourotransparente.gov.br/publicacoes/relatorio-anual-da-divida-rad/2020/114. Acesso em: 16 ago. 2021.
BRESSER-PEREIRA, L. C. Como sair do regime liberal de política econômica e da quase-estagnação desde 1990. Estudos Avançados, São Paulo, v. 31, n. 89, p. 7-22. jan.-abr. 2017. Obtido em: https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890002 . Acesso em: 11 ago. 2021.
BRESSER-PEREIRA, L. C.; GONZALEZ, L.; LUCINDA, C. Crises financeiras nos anos 1990 e poupança externa. Nova Economia, v. 18, n. 3, p. 327-357, 2008. Obtido em: https://doi.org/10.1590/S0103-63512008000300001 . Acesso em: 10 ago. 2021.
BRITO, A.; COSTAS, R. Brasil Rebaixado: com perda de grau de investimento, dólar e juros podem ficar mais caros. BBC News. 2015. Obtido em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150909_brasil_rebaixamento_ab. Acesso em: 22 ago. 2021.
CUNHA, A. M.; PRATES, D. M.; BICHARA, J. S. La economía brasileña: su nuevo papel en el sistema financiero internacional. América Latina Hoy, n. 54, p. 167-197, 2010. Obtido em: https://www.redalyc.org/comocitar.oa?id=30813328008 . Acesso em: 11 ago. 2021.
ELKHISHIN, S.; MOHIELDIN, M. External debt vulnerability in emerging markets and developing economies during the COVID-19 shock. Review of Economics and Political Science, v. 6, n. 1, p. 24-47, jun. 2021. Obtido em: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/REPS-10-2020-0155/full/html. Acesso em: 20 ago. 2021.
GOMES, G. N.; ALBUQUERQUE, D. D. B.; REZENDE, L. P. F. Abertura financeira e endividamento externo dos países periféricos: uma análise do caso brasileiro. Economia Ensaios, v. 35, n. 1, jul./dez. 2020. Obtido em: https://doi.org/10.14393/REE-v35n1a2020-44159. Acesso em 22 ago. 2021.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA - IPEADATA. Metadados. 2021. Obtido em: http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx. Acesso em: 19 ago. 2021
KALTENBRUNNER, A.; PAINCEIRA, J. P. Developing countries' changing nature of financial integration and new forms of external vulnerability: the Brazilian experience. Cambridge Journal of Economics, v. 39, n. 5, p. 1281-1306, set. 2015. Obtido em: https://doi.org/10.1093/cje/beu038. Acesso em: 18 ago. 2021.
KALTENBRUNNER, A.; PAINCEIRA, J. P. Subordinated financial integration and financialisation in emerging capitalist economies: the Brazilian experience. New Political Economy, v. 23, n. 3, p. 290-313, 2018. Obtido em: https://doi.org/10.1080/13563467.2017.1349089. Acesso em: 20 ago. 2021.
MEDIALDEA, B. Brazil: an economy caught in a financial trap (1993-2003). Brazilian Journal of Political Economy, v. 33, n. 3, p. 427-445, jul./set. 2013. Obtido em: https://doi.org/10.1590/S0101-31572013000300004. Acesso em: 16 ago. 2021.
MUNHOZ, V. C. V. Vulnerabilidade externa e controle de capitais no Brasil: uma análise das inter-relações entre câmbio, fluxos de capitais, IOF, juros e risco-país. Nova Economia, v. 23, n. 2, p. 371-402, mai./ago. 2013. Obtido em: https://doi.org/10.1590/S0103-63512013000200005. Acesso em: 11 ago. 2021.
RIBAS, L. B. T. Ciclos financeiros e o financiamento da indústria no Brasil 2010-2019. 2021. 49 f. Monografia (Graduação) - Curso de Ciências Econômicas, Departamento de Economia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2021.
SALOMÃO, I. Do estrangulamento externo à moratória: a negociação brasileira com o FMI no governo Figueiredo (1979-1985). Revista de Economia Contemporânea, v. 20, n. 1, p. 5-27, jan.-abr. 2016. Obtido em: https://doi.org/10.1590/198055272011. Acesso em: 11 ago. 2021.
TIRYAKI, G. F.; TEIXEIRA, D. N.; ARAÚJO, V. F. Vulnerabilidade externa e os ciclos econômicos no Brasil pós-plano real. Economia Aplicada, v. 25, n.1, p. 115-156, 2021. Obtido em: http://dx.doi.org/10.11606/1980-5330/ea173917. Acesso em: 21 ago. 2021.
VAN NOIJE, P. Vulnerabilidade externa e composição da posição internacional de investimentos: Brasil 2001-2010, Revista de Economia Política, v. 34, n. 3, p. 471-484, jul./set. 2014. Obtido em: https://doi.org/10.1590/S0101-31572014000300007. Acesso em: 18 ago. 2021.
Publicado
2021-09-07
Como Citar
Lobato Torres, R., Silvestri Cândido, C., & Ripka, A. (2021). Uma análise da dívida externa brasileira a partir dos anos 2000. Revista Catarinense De Economia, 4(1), 152 - 173. https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v4.n1.90