Políticas públicas e inclusão social no ensino superior comunitário em Santa Catarina: a Universidade do Extremo Sul Catarinense no período desenvolvimentista (2005-2015)

  • Thaíse Arnold Policarpo Unesc
  • Alcides Goularti Filho
Abstract views: 90 / PDF downloads: 88

Resumo

A educação superior brasileira, durante muitos anos, foi destinada à alta elite,porém, a partir a dos anos 2000, por meio de políticas públicas, a educação superior passou a ser mais acessível a grupos sociais de baixa renda, a mulheres, a negros e a pessoas com deficiência. Período em que o governo foi mais desenvolvimentista. A presente pesquisa apresenta um estudo sobre o Programa Universidade para Todos (PROUNI), o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), o Artigo 170 do Governo do Estado de Santa Catarina e a Bolsa da Prefeitura Municipal de Criciúma no espaço de uma universidade comunitária, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). O trabalho apresenta análise de dados entre os anos de 2005 a 2015,marcada por uma pesquisa qualitativa, com método dialético. Percebemos, a presença do Estado na instituição por meio das políticas públicas sociais inclusivas,concluímos que as políticas de acesso, identificadas pelos programas estudados, ampliaram as oportunidades de determinados grupos sociais e fomentaram o desenvolvimento da universidade.

Palavras-chave: educação; inclusão social; políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-07
Como Citar
Thaíse Arnold Policarpo, & Alcides Goularti Filho. (2020). Políticas públicas e inclusão social no ensino superior comunitário em Santa Catarina: a Universidade do Extremo Sul Catarinense no período desenvolvimentista (2005-2015). Revista Catarinense De Economia, 2(2), 64 - 88. https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v2.n2.45