Evolução do abate de suínos em Santa Catarina (2013/2018): entre a consolidação e a concentração agroindustrial

  • Alexandre Luís Giehl Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina
  • Marcia Mondardo Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina
Abstract views: 259 / PDF downloads: 184
Palavras-chave: suínos, suinocultura, agroindústria, abates

Resumo

A suinocultura é uma das principais atividades agropecuárias de Santa Catarina. Contudo, nas últimas décadas percebe-se uma retração na sua abrangência social, tanto no setor primário quanto no segmento industrial. Este artigo busca analisar a concentração e evolução do setor de abate de suínos em Santa Catarina entre os anos de 2013 e 2018. Verificou-se que o número de frigoríficos caiu 23,9%, com maior variação os que possuem inspeção municipal (-43,3%). Os frigoríficos com SIF foram responsáveis por 88,5% dos suínos abatidos em 2018, e os com SIE e SIM representaram 11,2% e 0,4%, respectivamente. Os frigoríficos que abateram mais de 1 milhão de animais por ano responderam por 13,0% dos abates em 2013 e 34,8% em 2018, enquanto os com menos de 10 mil suínos passou de 3,3% para 1,2%. Em 2018, os quatro maiores grupos empresariais ou cooperativas responderam por 78,7% dos animais abatidos. Conclui-se que a agroindústria suinícola catarinense possui elevado grau de concentração. Esse modelo possibilitou ganhos de eficiência, mas, resultou na exclusão dos segmentos que não atenderam as exigências de um mercado altamente competitivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARCELLOS JÚNIOR, A. S. Análise evolutiva da indústria de frigoríficos de produtos suínos no Rio Grande do Sul do ano de 1950 até o ano de 2004: declínio ou simples concentração de mercado? 2006. 200 p. Dissertação (Mestrado) Mestrado em Administração - Centro de Ciências Econômicas, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2006.
BAVARESCO, P. R. Ciclos econômicos regionais: modernização e empobrecimento no Extremo Oeste catarinense. Chapecó: Argos, 2005. 219 p.
EPAGRI/CEPA. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina Síntese Anual da Agricultura de Santa Catarina 2016-2017. V. 1 – Florianópolis: Epagri/Cepa, 2017a. 200 p.
____. Boletim Agropecuário. Edição especial “Operação Carne Fraca”, mar/2017. Florianópolis: Epagri/Cepa, 2017b. 23 p.
____. Boletim Agropecuário. N. 68. – Jan/2019. Florianópolis: Epagri/Cepa, 2019.
GASTARDELO, T. A.R.; MELZ, L. J. A suinocultura industrial no Brasil e no mundo. In: Revista UNEMAT de Contabilidade. Vol. 3, n. 6, Jul./Dez. 2014. p. 72-92.
GIEHL, A. L.; GUGEL, J. T.; MONDARDO, M.; MARCONDES, T. Participação da agricultura familiar na produção de suínos e frangos em Santa Catarina. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 56o, 2018, Campinas. Anais... [...]. Campinas: SOBER, 2018. Disponível em: http://icongresso.itarget.com.br/useradm/anais/?clt=ser.8. Acesso em: 11 dez. 2018.
GONÇALVES, S. A.; SKORA, C. M. Indústria de suínos da região sul: estrutura competitiva e condições ambientais. In: Encontro Nacional da ANPAD, XXI, Rio de Janeiro, 1997. Anais... [...]. Rio de Janeiro: ANPAD, 1997.
GUIMARÃES, D. et al. Suinocultura: estrutura da cadeia produtiva, panorama do setor no Brasil e no mundo e o apoio do BNDES. In: BNDES Setorial, n. 45, mar/2017. 136 p.
IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sistema IBGE de Recuperação Automática. Disponível em: . Acesso em: 19/dez/2018.
IPARDES. INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Análise da competitividade da cadeia agroindustrial de carne suína no Estado do Paraná. Curitiba: IPARDES, 2002. 239 p.
MAPA. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Valor Produção Agropecuária (VBP). 2018. Disponível em: . Acesso em: 05/fev./2019.
MIELE, M.; GIROTTO, A. F. Tendências e incertezas para a construção de cenários na suinocultura. Comunicado Técnico, n. 424, Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, 2006. 6 p.
MIELE, M.; WAQUIL, P. D. Cadeia produtiva da carne suína no Brasil. In: Revista de Política Agrícola. Ano XVI, n.1, Jan./Fev./Mar. 2007. p. 75-87.
MIELE, M. et al. O desenvolvimento da suinocultura brasileira nos últimos 35 anos. In: SOUZA, J. C. P. V. B. et al. (Ed.). Sonho, desafio e tecnologia: 35 anos de contribuições da Embrapa Suínos e Aves. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, 2011. p. 85-102.
RODRIGUES, C. M. C.; OLIVEIRA, D. B. Análise competitiva da indústria de suínos do Rio Grande do Sul. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XIX, Rio de Janeiro, 1999. Anais... [...]. CD-ROM. v. 1. Rio de Janeiro: UFRJ, 1999.
ROHENKOHL, J. E. A integração produtiva entre agropecuária e agroindústria: uma discussão introdutória em torno da suinocultura. In: Revista Economia e Desenvolvimento, Ed. UFSM, n. 19, pp. 1-26, 2007.
SORJ, B.; POMPERMAYER, M. J.; CORADINI, O. L. Camponeses e agroindústria: transformação social e representação política na avicultura brasileira [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. 102 p.
TALAMINI, D. D.J.; KINPARA, D. I. Os complexos agroindustriais da carne e o desenvolvimento do oeste de Santa Catarina. In: Revista de Política Agrícola. Ano 3, n. 2, Abr./Mai./Jun., 1994.
TESTA, V. M. et al. O desenvolvimento sustentável do Oeste Catarinense (Proposta para discussão). Florianópolis: Epagri, 1996.
VIANA, J. G. A.; PADULA, A. D.; WAQUIL, Paulo D. Dinâmica e desempenho da suinocultura do Rio Grande do Sul sob a ótica da organização industrial. In: Teoria e Evidência Econômica. Ano 16, n. 34, p. 9-29, Jan./Jun., 2010.
ZANOTTO, André L. Senhores e criadores: uma história do combate à peste suína africana em Santa Catarina (1978). 2013. 202 p. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em História - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.
Publicado
2020-08-07
Como Citar
Luís Giehl, A., & Mondardo, M. (2020). Evolução do abate de suínos em Santa Catarina (2013/2018): entre a consolidação e a concentração agroindustrial. Revista Catarinense De Economia, 2(2), 113 - 139. https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v2.n2.37