Desmatamento da Mata Atlântica paranaense: análise espacial para o período 2014 e 2019

Abstract views: 16 / PDF downloads: 7
Palavras-chave: Desenvolvimento Sustentável, Desmatamento, Agropecuária

Resumo

O objetivo deste artigo é verificar a existência de autocorrelação espacial entre o remanescente de Mata Atlântica e as atividades agropecuárias, para os municípios do estado do Paraná, que ocupa a terceira posição no ranking de estados com maior nível de desmatamento. O recorte temporal utilizado nos dados foi de 2014 e 2019 e como metodologia, optou-se pela Análise Exploratória de Dados Espaciais. Por meio da estatística I de Moran, verifica-se a existência de autocorrelação espacial e a presença de clusters significativos em algumas regiões do estado para a variação do remanescente de Mata Atlântica e para as variações da atividade agropecuária, indicando que possivelmente o desmatamento em determinada localidade afeta o desmatamento em municípios vizinhos. Porém, não foram verificadas evidências de autocorrelação espacial entre a variação do remanescente e a variação das atividades agropecuárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, E.S. Curso de econometria espacial aplicada, ESALQ-USP, Piracicaba, 2004.

ANSELIN, L. Spatial econometrics: methods and models. Kluwer Acedemic, Boston, 1988.

BARBOSA, G. S. O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões, v. 4, n. 1, p. 1-11, 2008.

BETARELLI JUNIOR, A. A.; ALMEIDA, E. Os principais fatores internos e as exportações microrregionais brasileiras. Revista de Economia Contemporânea, v. 13, n. 2, p. 201-227, 2009.

CARVALHO, A. X. Y.; ALBUQUERQUE, P. H. M. Tópicos em econometria espacial para dados cross-section. Texto para Discussão IPEA, 2010.

CECILIO E SILVA, I. A.; MARCELINO, G. C.; PARRÉ, J. L. Determinantes do desmatamento nos municípios da Amazônia Legal Brasileira: uma análise econométrica espacial. In: Encontro de Economia da Região Sul, XXIII, 2020. Anais eletrônicos [...]. Disponível em: https://www.anpec.org.br/sul/2020/submissao/files_I/i4-64f2c0a5712bd8ff7915571451c3dbc5.pdf. Acesso em: março de 2022.

CLIFF, A. D.; ORD, J.K. Spatial processes: models and applications. Pion, London. 1981.

CMMAD. “Comissão mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento)” Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

DE OTTAWA, A. CARTA. A Promoção da Saúde. In: 1ª Conferência Internacional, Canadá. 1986. p. 17-21.

FERREIRA, L. C. A questão ambiental: sustentabilidade e políticas públicas no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial, 1998.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Dados Gerais. Disponível em: https://www.sosma.org.br/conheca/mata-atlantica/. Acesso em: fevereiro de 2022a.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Relatório Anual 2019. Disponível em: https://cms.sosma.org.br/wp-content/uploads/2020/11/Relat%C3%B3rio-Anual-2019-SOS-Mata-Atl%C3%A2ntica.pdf. Acesso em: fevereiro de 2022.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA; INPE. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica: período 2019/2020, relatório técnico. São Paulo: Fundação SOS Mata Atlântica, 2021. 73p

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Atlas da Mata Atlântica. Disponível em: https://www.sosma.org.br/iniciativas/atlas-da-mata-atlantica/. Acesso em: março de 2022b.

GAETANI, F. et al. (Org.) O Brasil na agenda internacional para o desenvolvimento sustentável: um olhar externo sobre os desafios e oportunidades nas negociações de clima, biodiversidade e substâncias químicas. Tradução de John Morris, 2012.

GROSSMAN, G.; KRUEGER, A. Economic Growth and the Environment. Quarterly Journal of Economics, v. 110, n. 2, p. 353-377, 1995.

GOVERNO DO BRASIL. Brasil vai demonstrar a sustentabilidade do agronegócio na COP26. Disponível em: https://www.gov.br/pt-br/noticias/meio-ambiente-e-clima/2021/10/brasil-vai-demonstrar-a-sustentabilidade-do-agronegocio-na-cop26. Acesso em: março de 2022.

IPARDES. As espacialidades socioeconômicas-institucionais no período 2003-2015. Curitiba: IPARDES, 2017.

IPARDES. Base de Dados do Estado – BDEweb. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/imp/index.php. Acesso em: fevereiro de 2022.

LIMA, R. C. A.; HARFUCH, L. Aprendizados da COP26 para a agropecuária brasileira. Revista de Política Agrícola, v. 30, n. 4, p. 140, 2021.

MONASTERIO, L. M.; ÁVILA, R. P. Uma Análise Espacial do Crescimento do Rio Grande do Sul (1939-2001). Revista Economia, Brasília – DF, v.5, n.2, p.269-296, jul.-dez./2004.

RIVERO, S.; ALMEIDA, O.; ÁVILA, S.; OLIVEIRA, W. Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nova Economia (UFMG. Impresso), Belo Horizonte, v. 19, p. 41-66, jan./abr. 2009.

ROSSONI, R. A.; MORAES, M. L. Agropecuária e desmatamento na Amazônia Legal Brasileira: uma análise espacial entre 2007 e 2017. Geografia em Questão, v. 13, n. 3, 2020.

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS – SEMA. Conhecendo o Bioma Mata Atlântica no Paraná. Revista Atlântica, v. 1, n. 1, p. 1-20, novembro de 2018.

SOUSA, W. L.; IRFFI, G.; ASEVEDO, M. D. G.. Desmatamento da Mata Atlântica no estado do Ceará: análises da Curva de Kuznets Ambiental a partir de dados em painel, 2011 a 2017. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 60, 2021.

TEIXEIRA, R. F. A. P.; ALMEIDA, L. T.; BERTELLA, M. A. Desmatamento no Estado de Mato Grosso: avaliação de convergência e interação espacial. Análise Econômica, p. 245-275, 2014.

TOBLER,W. R. A computer movie simulating urban growth in the Detroit region. Economic Geography, v.46: p. 234-240, 1970.

Publicado
2022-06-03
Como Citar
Vieira, M., & Candida da Mata Mendonça, Y. (2022). Desmatamento da Mata Atlântica paranaense: análise espacial para o período 2014 e 2019. Revista Catarinense De Economia, 5(1), 46-57. https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v5.n1.106
Seção
Artigos