A Formação Econômica do Brasil e sua contribuição aos estudos de história econômica comparada

  • Fabio Farias de Moraes Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina - CIASC
  • Alcides Goularti Filho
Palavras-chave: Celso Furtado; formação econômica; história econômica comparada.

Resumo

A obra Formação Econômica do Brasil (FEB), de Celso Furtado, foi escrita durante a chamada Era de Ouro do capitalismo. O jovem intelectual, nessa época, já conhecia desde economias que se tornavam mais sofisticadas à precariedade e rusticidade de economias de países pobres. Em FEB, Furtado desenvolveu parte de suas teses sobre o subdesenvolvimento a partir da análise do seu próprio país, examinado desde o período colonial até sua industrialização, de uma perspectiva internacional. O clássico livro é um texto fundamental nos estudos de história econômica, economia e ciências sociais, ainda hoje, por sua profusão de interpretações e essencialidade do seu desenlace. Neste artigo pretendemos abordar uma das principais formas de exposição dos seus argumentos, a comparação de história econômica, entre Brasil e EUA, mas também entre as diversas regiões brasileiras.

Referências

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
CARDOSO DE MELLO, J. M. O capitalismo tardio: contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1988.
CARDOSO, J. L. Celso Furtado e as encruzilhadas do desenvolvimento. Análise Social, 214, I. (1º), 2015. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/AS_214_a02.pdf. Acesso em 19/10/2020.
CARDOSO, F. H.; FALETO, E. Dependência e desenvolvimento na América Latina: ensaios de interpretação sociológica. 5ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979. [1ª ed. 1970]
FERRER, A. La economía argentina. Desde sus orígenes hasta principios del siglo XXI. Buenos Aires Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2004.
FURTADO, C. 1972. Análise do Modelo Brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.
FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1983. [1ª ed. de 1967]
FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. 24ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1991.
FURTADO, C. O capitalismo global. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1998.
GOULARTI FILHO, A. O pensamento de Celso Furtado: crenças e desilusões. Revista de Economia, Curitiba, n. 23, p. 123-137, 1999.
GUNDER FRANK, A. The development of underdevelopment. Monthly Review, Nova York, v. 18, n. 4, p. 17-31, 1966.
LESSA, C. Quinze anos de política econômica. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1982. 173 p.
MANTEGA, G. A economia política brasileira. Petrópolis-RJ: Vozes. 1990.
PAULA, J. A. Celso Furtado, a história e a historiografia. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 10, n. 17, pp.144-165, jul.-dez. 2015.
SAES, A. M. Celso Furtado, 100 Anos: Economia Colonial no Brasil nos Séculos XVI e XVII (1948). Economia & História: especial Celso Furtado. p. 55-63. Maio de 2020.
SCHUMPETER, J. História da análise econômica. Rio de Janeiro, Fundo da Cultura, 1964. v. 1.
SILVA, Roberto Pereira. O Jovem Celso Furtado: história política e economia (1941-1948). 2010. Dissertação (Mestrado) - História Econômica, Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010. Cap. 2.
SIMONSEN, M. H.; CAMPOS, R. A nova economia brasileira. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1976.
TAVARES, M. C. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro: ensaios sobre economia brasileira. 9. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.
Publicado
2020-12-13

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##