Reestruturação produtiva e reconfiguração espacial da indústria do vestuário em Santa Catarina

contextualização do tema e indícios sobre o começo do século XXI

  • Hoyêdo Nunes Lins UFSC
Palavras-chave: Vale do Itajaí (SC); indústria do vestuário; mudanças produtivas

Resumo

As atividades de produção do vestuário perfilam-se entre as mais antigas da história, e os processos que lhe dizem respeito, quer crescimento ou declínio, quer mudanças tecnológicas ou organizacionais, têm importantes reflexos socioeconômicos e espaciais, como a observação histórica permite constatar. No Brasil, o Vale do Itajaí sobressai no complexo têxtil-vestuário, a reboque de trajetória mais que secular no tocante à consolidação da presença das respectivas práticas. Nos anos 1990, as transformações regulatórias vivenciadas no país resultaram em processos de reestruturação nessas indústrias, refletindo-se, entre outras coisas, em aprofundamento da subcontratação/terceirização que implicou capacidades de trabalho e produção situadas inclusive no meio rural da região. O artigo explora essas questões com vistas a indagar sobre o quadro que se desenha nas duas primeiras décadas do século XXI. Utilizando dados de empregos formais, concentra-se a atenção particularmente na Microrregião de Blumenau, a mais fortemente destacada nas atividades têxteis e do vestuário, entre as quatro que formam a Mesorregião do Vale do Itajaí.

Referências

ABREU, A. R. de P. O avesso da moda: trabalho a domicílio na indústria de confecção. São Paulo: Hucitec, 1986.
AMORIM, E. R. A. No limite da precarização?: terceirização e trabalho feminino na indústria de confecção. 2003. 238 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.
AZMEH, S.; NADVI, K. Asian firms and the restructuring of global value chains. International Business Review, v. 23, n. 4, p.708-717, 2014.
BAHR, O. G. Dilemas da subcontratação: os limites da “redução de custos” das grandes empresas do complexo têxtil-vestuário de Blumenau. 2012. 114 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2012.
BENETTI, E. Costa Rica Malhas inaugura fábrica em Canelinha. NSC Total, S.l, S.p, 22 nov. 2018. Obtido em: Acesso em: 5 dez. 2018.
BRANDÃO, V. A enchente que não acabou. Expressão, n. 77, p. 24-31, 1997.
BRAUDEL, F. Civilização material, economia e capitalismo – séculos XV-XVIII. V. 2: Os jogos das trocas. São Paulo, 1998.
BRESCIANI, L. P. Flexibilidade e reestruturação: o trabalho na encruzilhada. São Paulo em Perspectiva, v. 11, n. 1, p. 88-97, 1997.
CALEFFI, V. M. Reestruturação produtiva na indústria do vestuário e as implicações para a qualificação dos trabalhadores. 2008. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.
CIETTA, E. A revolução do fast-fashion: estratégias e modelos organizativos para competir nas indústrias híbridas. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.
CONCLA – Comissão Nacional de Classificação; IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE). Rio de Janeiro: IBGE, 2002. Obtido em: Acesso em: 12 dez. 2018.
CORRÊA, M. K. A indústria de confecção e as implicações sócio-espaciais recentes no município de Brusque. 2006. 156 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.
COSTA, A. C. R. da; ROCHA, Érico R. P. da. Panorama da cadeia produtiva têxtil e de202, 2009.confecções e a questão da inovação. BNDES Setorial, n. 29, p. 159-0
COUTINHO, L. A terceira revolução industrial e tecnológica. Economia e Sociedade, n. 1, p. 69-87, 1992.
COUTINHO, L. G.; FERRAZ, J. C. (Coords.). Estudo da competitividade da indústria brasileira. 2.ed. Campinas: Papirus; Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1994.
DINIZ, P. Vigiar e consumir. Folha de S. Paulo, p. C1 e C3, 7.maio.2017.
ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Global, 1985.
FERNANDEZ-STARK, K.; FREDERICK, S.; GEREFFI, G. The apparel global value chain: economic upgrading and workforce development. Durham: Duke University Center on Globalization, Governance and Competitiveness, Nov. 2011. Obtido em: Acesso em: 10 jul. 2014.
FREITAG, K. C.; BRANDÃO, L. As transformações no mundo do trabalho em Blumenau/SC: a gestão dos benefícios sociais. In: II JORNADA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO E POLÍTICAS PÚBLICAS, Criciúma: Universidade do Extremo Sul Catarinense 3 e 4 set. 2018. Obtido em: http://periodicos.unesc.net/seminariocsa/article/view/4843 Acesso em: 09 jan. 2019
FRONZA, C. S. A exploração do trabalho no processo de quarteirização no setor têxtil-vestuário em Blumenau/SC. 2017. 248 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.
GEREFFI, G.; GARCIA-JOHNSON, R.; SASSER, E. The NGO-Industrial Complex. Foreign Policy, p. 56-65, July 2001.
GORZ, A. Métamorphoses du travail, quête du sens: critique de la raison économique. Paris: Galilée, 1988.
GOULARTI FILHO, A. Formação econômica de Santa Catarina. Florianópolis: Cidade Futura, 2002.
HENSCHEL, R. O. O setor têxtil-vestuarista de Brusque diante das mudanças econômicas dos anos 1990: uma abordagem à luz da noção de eficiência coletiva. 2002. 116 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.
HERING, M. L. R. Colonização e indústria no Vale do Itajaí: o modelo catarinense de desenvolvimento. Blumenau: Editora da Universidade Regional de Blumenau, 1987.
HOBSBAWM, E. J. Mundos do trabalho. 2.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas. V. I. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. Obtido em: Acesso em: 30 dez. 2018.
IBGE – IINSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Blumenau. S. l., S. d.a Obtido em: Acesso em: 30 dez. 2018.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico 2000 – Santa Catarina. S.l., S.d.b Obtido em: https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=1&uf=42 Acesso em: 30 dez. 2018.
JINKINGS, I. Reestruturação produtiva e emprego na indústria têxtil catarinense. 2002. 120 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.
JURGENFELD, V; LINS, H. N. A projeção asiática da indústria têxtil e vestuarista catarinense nos anos 2000: estudo sobre três experiências no Vale do Itajaí. Textos de Economia, v. 13, n. 2, p. 11-34, 2010.
KROST, O. Trabalho em “facções” na indústria têxtil/vestuário em Blumenau/SC: alinhavando contornos da reestruturação produtiva. 2015. 149 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2015.
LAZERSON, M. H. Subcontracting in the Modena knitwear industry. In: PYKE, F.; BECCATINI, G.; SENGENBERGER, W. (Eds.). Industrial districts and inter-firm cooperation in Italy. Geneva: International Institute for Labour Studies, 1990, p. 108-133.
LINS, H. N. Clusters industriais, competitividade e desenvolvimento regional: da experiência à necessidade de promoção. Estudos Econômicos, v. 30, n. 2, p. 233-265, 2000a.
LINS, H. N. Reestruturação industrial em Santa Catarina: pequenas e médias empresas têxteis e vestuaristas catarinenses perante os desafios dos anos 90. Florianópolis: Editora da UFSC, 2000b.
LINS, H. N. Cooperativas de trabalhadores: opção frente à crise do emprego ou aspecto da crescente precariedade do trabalho? Nova Economia, v. 11, n. 1, p. 39-75, 2001.
LINS, H. N. Aprendizagem e inovação em uma área de produção confeccionista no sul do Brasil. In: SBRAGIA, Roberto; STAL, Eva (Eds.). Tecnologia e inovação: experiência de gestão na micro e pequena empresa. São Paulo: PGT/USP, 2002, p. 3-25.
LINS, H. N. Chips & sweating system: metáforas para a reestruturação produtiva. Ensaios FEE, v. 24, n. 1, p. 151-176, 2003.
LUPATINI, M. P. As transformações produtivas na indústria têxtil-vestuário e seus impactos sobre a distribuição territorial da produção e a divisão do trabalho industrial. 2004. 168 f. Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnológica) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.
MAMIGONIAN, A. Estudo geográfico das indústrias de Blumenau. Revista Brasileira de Geografia, v. 27, n. 3, p. 389-481, 1965.
MAMIGONIAN, A. Indústria. In: Atlas de Santa Catarina. Florianópolis, Gabinete de Planejamento e Coordenação Geral de Santa Catarina, 1986, p. 104-106.
MANTOUX, P. La revolución industrial em el siglo XVIII. Madrid: Aguilar, 1962.
MARX, K. Le capital. Paris: Editions Sociales; Moscou: Editions du Progrès, 1982.
MAYER, F.; GEREFFI, G. Regulation and economic globalization: prospects and limits of private governance. Business and Politics, v. 12, n. 3, 2010. Obtido em: http://www.bepress.com/bap/vol12/iss3/art11 Acesso em: 10 jul. 2014.
METZGER, C. O lavrador-operário de Guabiruba. Guabiruba: Prefeitura Municipal, 1988.
OFFE, C. Trabalho: a categoria-chave da sociologia? Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 10, v. 4, p. 5-20, 1989.
PETRY, S. M. V. A fibra tece a história: a contribuição da indústria têxtil nos 150 anos de Blumenau. Blumenau: SINTEX, 2000.
RAIS – RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS. Brasília, D.F.: Ministério do Trabalho, S.d. Obtido em: Acesso em: 15 dez. 2018.
RODOLFO, F. Santa Catarina: desenvolvimento, desigualdades regionais e ação do Estado no início do século XXI. 2016. 294 f. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.
SIMÕES, R. Métodos de análise regional: diagnóstico para o planejamento regional. In: DINIZ, Clélio C.; CROCCO, Marco (Orgs.). Economia regional e urbana: contribuições teóricas recentes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006, p. 269-297.
TRICHES, G. P.; TAMBOSI, M.; POLEZA, M. M.; CASAROTTO FILHO, N. Competitividade sistêmica do polo de confecções de jeans na região de Rio do Sul – SC – Brasil. S.l.: 2002. Obtido em: < http://portaldeeconomiasc.fepese.org.br/arquivos/links/textil_vestuario/2002%20Textil_Jeans_RiodoSul_Resumo.pdf> Acesso em: 12 jan. 2019.
WALLERSTEIN, I. El moderno sistema mundial: la agricultura capitalista y los orígenes de la economía-mundo europea en el siglo XVI. México, D.F.: Siglo Veintiuno, 1979.
WALLERSTEIN, I. El moderno sistema mundial: el mercantilismo y la consolidación de la economía-mundo europea – 1600-1750. México, D.F.: Siglo Veintiuno, 1984.
WALLERSTEIN, I. El moderno sistema mundial: la segunda era de gran expansión de la economía-mundo capitalista – 1730-1850. México, D.F.: Siglo Veintiuno, 1998.
WIKIPEDIA. Mesorregião do Vale do Itajaí. S.l., S.d. Obtido em: Acesso em: 22 dez. 2018.
Publicado
2020-08-07